6 de janeiro de 2009

Rock dá adeus a Ron Asheton

Poucas bandas foram tão contestadoras quanto os Stooges. Na virada dos anos 1960, o grupo de Michigan (EUA) plantou a semente do que viria a ser – quase dez anos depois – o punk rock. Por trás da atuação performática de Iggy Pop havia uma coleção de riffs tocados de maneira crua e abusando do wah-wah. O responsável por isso, Ron Asheton, morreu hoje aos 61 anos.

O autor de algumas das notas mais barulhentas do rock foi encontrado morto em sua casa, na cidade de Ann Arbor, Michigan. Ao lado de Iggy Pop (vocal), do irmão Scott Asheton (bateria) e de Dave Alexander (baixo), Ron formou em 1967 uma banda com o singelo nome de Os Patetas (The Stooges).

Com eles, gravou os álbuns The Stooges (1969) e Fun House (1970). Após um tempo afastado, voltou à banda em 2005, quando os Stooges estiveram no Brasil para um show no festival Claro que é Rock. Em 2007, participou das gravações de The Weiderness, quarto álbum de estúdio da banda.

Recentemente, a revista Rolling Stone apontou Asheton como o 29º melhor guitarrista de todos os tempos, em lista encabeçada por Jimi Hendrix. Mas talvez a melhor definição para a sua importância no rock esteja em uma frase de Iggy Pop: “Qualquer guitarrista que faça vale o seu salário é basicamente um matador”. Foi assim com Ron Asheton.

2 comentários:

Oliveski disse...

LOUCOOOOOOOOO....Meu como tu descobre tanta coisa....?? O Dantà entende pra kct da parada da música.

Vai loge este groteiro de Catuípe!

VIP disse...

yeah!