15 de julho de 2008

Quando NY era rock

Houve uma época em que Nova York produzia bandas com qualidade. Ok, substitua “qualidade” por “criatividade”. Acrescente batom, salto alto e riffs matadores e você terá a banda mais rock and roll da era glam, o New York Dolls. A trupe de marmanjos que aparecia vestida de mulher na capa do LP pretendia impressionar, mas muito melhor que o figurino era o som do primeiro álbum da banda. Lançado em 1973, New York Dolls soou como um precursor do punk numa época em que grandes bandas de rock eram provenientes de conservatórios musicais.

Dilacerado pelas drogas, o New York Dolls perdeu vários de seus integrantes por overdose, incluindo o lendário Johnny Thunders. Isso não impediu que em 2006 as moçoilas voltassem a gravar. O álbum One Day It Will Please Us To Remember Even This, lançado no ano retrasado, pode até apresentar o grupo aos fãs de Green Day e Simple Plan, mas o filé mignon está mesmo no debut dos nova-iorquinos. A fórmula foi insuperável até mesmo para os próprios Dolls, que em 1974 lançariam o irregular Too Much Too Soon. Ainda era o NYD, mas o brilho da estréia jamais seria repetido novamente.

Pular em cima da cama tocando air guitar ao som de uma música como “Personality Crisis” é o ideal de felicidade de qualquer garoto com menos de 15 anos. Experimente e você irá se sentir como os personagens do filme Quando Mais Idiota Melhor ao ouvir “Bohemian Rapsody”, do Queen. A faixa que abre o disco de estréia dos Dolls é uma verdadeira festa de 3 minutos e 40 segundos! Seguem a arrasadora “Looking For a Kiss” e a provocativa “Vietnamese Baby”. E, completo como todo clássico do rock, NYD tem uma balada para tocar ao violão, “Lonely Planet Boy”. “Trash” é punk muito antes que qualquer moicano aprendesse o terceiro acorde. E “Jet Boy”, um hino alternativo da capital do mundo.

New York Dolls alcançou a 213ª posição na lista de 500 melhores discos da história da revista Rolling Stone (a americana), divulgada em 2003. Após o rompimento, em 1977, a banda viria a se reunir em 2004 (empurrada pelo fã Morrisey), com apenas três de seus integrantes originais. Um deles, o baixista Arthur Kane, morreu no ano da reunião, vítima de leucemia, restando o vocalista David Johansen e o guitarrista Sylvain Sylvain.

Mas a alma do New York Dolls sempre foi Johnny Thunders, a quem o punk rock deve muito. A paternidade do movimento costuma ser dada sem questionamentos a Iggy Pop e os Stooges, mas era o guitarrista do NYD que fazia a cabeça de dois moleques ingleses chamados Stephen Jones e John Lydon, que buscariam copiar o som de Thunders para a banda que estavam formando. O resto da história você já sabe.

2 comentários:

PEDRO MENEZES disse...

Sinceramente, acho que todas essas bandas um dia já foram muito boas; atualmente, não mais... Posso estar envelhecendo mas, na minha humilde opinião, tudo um dia já foi melhor. =(

Yeda disse...

bom vou dar um crédito, pq tu conseguisse me fazer gostar até de bob dylan heehehhe, vou ouvir NYD e depois te digo o que eu acho...



não consigo evitar de ver o video do jupiter maçã hahahah


beijusss little boy